segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

O Blog Sertão9 deseja a todos um - Feliz Ano Novo

   O Blog Sertão9 deseja a todos os seus Leitores,um feliz 2013 Que nesse ano Deus nos ensine a Paz, e que estejamos todos prontos para ouvir, Que os nossos erros não sejam o nosso fardo, Mas a experiência para decisões melhores, Que nesse ano a religião não seja razão para o ódio, e que os inocentes sejam sagrados, Que as diferenças não justifiquem problemas, Mas que mostrem soluções diferentes, Que nesse ano toda criança possa brincar, e que elas tenham brinquedos verdadeiros, Que seus pais não justifiquem discórdia hoje, Mas que falem dos sonhos de um futuro feliz, Que nesse ano a força seja das boas palavras, e que as palavras sejam ouvidas, Que o poder não derrube paredes sobre as pessoas, Mas que destrua barreiras entre elas, Que nesse ano as nações sejam unidas, E que a união tenha significado e seja respeitada, Que os governantes não se esqueçam que a história não eterniza a vida, frágil e passageira, Mas apenas pensamentos e ações, Que nesse ano a natureza seja mãe, E que, como filhos, tenhamos por ela o amor e o cuidado devidos, Que as ações pelo Planeta não sejam assinadas apenas pelas nações que compreendem os problemas, Mas também por aquelas que os causam...,

Rei do baião brilhou na Wikipédia em 2012


A palavra "Facebook" foi a mais pesquisada em inglês na enciclopédia letrônica e interativa Wikipédia ao longo de 2012 - exatas 32.647.942 vezes, de acordo com dados coletados pelo Wiki Trend Project. Na versão em língua portuguesa da Wikipédia, a palavra vencedora foi "Brasil", seguida por "Luiz Gonzaga". "Orkut", nome de uma rede social cada vez menos usada, ocupou uma honrosa terceira colocação, à frente da rede social rival criada por Mark Zuckerberg.
Os números são do Wikitrend, um sistema criado pelo engenheiro eletrônico sueco Johan Gunnersson, que mede o número de buscas feitas pelos usuários da Wikipédia em diferentes línguas. Suas medições contêm dados diários, semanais, mensais e anuais.
A explicação para "Luiz Gonzaga" ser a segunda expressão mais procurada na Wikipédia em português se deve ao centenário do nascimento do rei do baião, comemorado em 2012.
A lista em português traz outras surpresas, como a grande procura pela palavra "voleibol", em 7.º lugar - à frente da palavra "futebol".

domingo, 30 de dezembro de 2012

Obra reúne 22 partituras de fase pouco conhecida de Luiz Gonzaga


Quando se ouve falar em choro vêm imediatamente aos ouvidos os sons de violões, flautas, cavaquinhos e bandolins. Mas, surpreendentemente, a sanfona também pode ser incluída nessa lista, graças ao mais conhecido sanfoneiro do Brasil, Luiz Gonzaga (1912-1989). Ele, que ficaria imortalizado pela alcunha de Rei do Baião, andou flertando nas décadas de 30 e 40 com ritmos como polca, mazurca, valsa e choro.

Esse período é abordado no livro Luiz Gonzaga: Tem Sanfona no Choro (Instituto Moreira Salles/R$ 50/72 págs.), que reúne 22 partituras de choros gravados por Luiz Gonzaga entre 1941 e 1946. A obra tem organização do músico e pesquisador Marcelo Caldi, que transcreveu as partituras a partir das  gravações originais, já que não havia registro escrito dessa fase de Gonzagão.


Mas o livro traz, além do conteúdo técnico, outros itens que podem interessar ao leitor que não sabe tocar sequer um acorde. Um desses itens é o texto do pesquisador Fernando Gasparini, fazendo pequena biografia do músico pernambucano. Ainda que não traga informações surpreendentes, vale para conhecer uma fase ainda um pouco obscura da vida dele.  

O item mais valioso, que deve interessar inclusive aos fãs de Luiz Gonzaga, é um CD instrumental com 13 faixas produzido por Marcelo Caldi. São regravações de músicas compostas por Gonzagão em raros LPs lançados na década de 40. Com exceção de duas músicas criadas  com os parceiros Francisco Reis e Zé Dantas, as demais têm Luiz Gonzaga como único compositor.

Rio de janeiro 
Nascido em Exu, no sertão de Pernambuco, em 13 de dezembro de 1912, Gonzagão brigou com a mãe, Santana, e foi para o Crato, no Ceará, para servir o Exército. Quando encerrou a carreira militar, aos 26 anos, partiu para o Rio de Janeiro, onde viu oportunidades de ganhar uns trocados se apresentando em bares da cidade.

Mas, àquela altura, Gonzaga não estava mais interessado nas melodias pé de serra que ouvia na infância, principalmente com o pai, Januário. Ele preferia os sucessos que escutava nas rádios, como as valsas de Antenógenes Silva, as canções de Augusto Calheiros, os tangos de Gardel, blues, foxtrotes e sambas. Em vez de buscar inspiração em suas raízes nordestinas, Gonzagão acreditou que o caminho mais fácil para o sucesso e a fortuna seria seguir a onda da época.

Mas, para a sorte da música brasileira, um grupo de estudantes cearenses, numa dessas apresentações de Gonzagão na noite carioca, lançou uma provocação ao Rei do Baião e desafiou-lhe a apresentar algo da sua terra. Foi aí que ele se lembrou dos tempos em que tocava com o pai e decidiu dar um toque nordestino a polcas, mazurcas e choros.

Apresentou então duas peças que agitaram o público daquela casa de um jeito nunca visto antes. Pé de Serra e Vira e Mexe deram a Gonzagão três  pratos cheios de dinheiro na noite mais rentável até ali. Foi assim que ele percebeu que suas raízes nordestinas é que o levariam ao sucesso.

Embora não tenha ficado conhecido por seus choros, Gonzagão deixou, para Marcelo Caldi, um legado importante: “Esses choros para sanfona têm a mesma importância que as músicas de Pixinguinha para a flauta, de Ernesto Nazareth para o piano e de Waldir Azevedo para o cavaquinho”.

O Instituto Moreira Salles também disponibiliza no site www.ims.com.br gravações originais das 22 composições cujas partituras estão no livro. Há ainda um documentário em áudio com depoimentos de Dominguinhos, da biógrafa Dominique Dreyfus e de outras personalidades ligadas a Gonzagão.

sábado, 29 de dezembro de 2012

Luiz Gonzaga é o artista mais procurado na versão em português da Wikipédia

Luiz Gonzaga, que completaria 100 anos em 2012, foi o artista mais procurado do Wikipédia no ano<br /><b>Crédito: </b> Divulgação / CP Memória
Luiz Gonzaga, que completaria 100 anos em 2012, foi o artista mais procurado do Wikipédia no ano
Blog Sertão9

No ano de seu centenário, o cantor Luiz Gonzaga tornou-se o artista mais procurado na versão em português da Wikipédia, a enciclopédia livre da internet. O “Gonzagão” ficou em segundo lugar nas pesquisas realizadas no Brasil, com mais de 2,2 milhões de buscas, atrás somente do termo “Brasil”, visto por mais de 3,6 milhões internautas. 


Na sequência, aparecem “Orkut”, “Facebook” e a banda inglesa “One Direction”. No top-10, ainda há buscar por “Dia dos Namorados”, “Voleibol”, “Google”, “Jogos Olímpicos” e “Segunda Guerra Mundial”. 

Se no Brasil o Facebook perdeu para o Orkut nas pesquisas, a maior rede social do mundo liderou nas pesquisas nos idiomas em inglês (18 milhões de pesquisas) e Espanhol (11 milhões). Da Redação do Blog Sertão9

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Em Olinda, Santanna canta no último forró do ano da Casa da Rabeca


Santanna (Foto: Divulgação)Forrozeiro Santanna anima último forró do ano da
Casa da Rabeca, em Olinda. Blog Sertão9
O tradicional forró pé de serra encerrará as atividades de 2012 da Casa da Rabeca, neste sábado (29). O cantor Santanna fará um show especial com a participação de Gilmar Leite, Dinda Salu e os Cabras Desmantelados para homenagear o centenário de Luiz Gonzaga. A festa começa a partir das 21h e os ingressos custam R$ 20.
A Casa da Rabeca, localizada na Cidade Tabajara, em Olinda, Região Metropolitana do Recife, promete mais de oito horas de forró. Santanna avisa que, quem for ao evento, deve se preparar para a “maratona” forrozeira. “O show, na verdade, é para dançar a noite inteira. Quem for deve estar preparado”, disse.
O cantor dividirá o repertório entre as músicas consagradas e as canções do novo CD, além de prestar sua homenagem ao Rei do Baião, cantando sucessos de Gonzaga.
Para 2013, a casa de shows anuncia a programação para o Dia de Reis, que acontece no dia 6 de janeiro. A 18ª Festa de Reis da Casa da Rabeca traz atrações da cultura popular, com um espetáculos de dança, teatro e poesia. O evento será a partir das 18h, com entrada gratuita.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Em 2013 Solteirões do Forró lança CD pela Som Livre e emplaca música em novela



Em 2013 Solteirões do Forró lança CD pela Som Livre e emplaca música em novela


2013 promete muito para a banda Solteirões do Forró. O grupo cearense dá um dos seus maiores passos na carreira e lança, pela primeira vez, um CD por uma gravadoranacional. Quem apostou no talento e repertório de Zé Cantor e Taty Girl foi a SomLivre, da Rede Globo. Durante show no fim de semanaem Teresina, a dupla anunciou a grande novidade ao Forró Dicumforça.

“O ano de 2012 foi excelente, mas temos projetos maiores para 2013. Nosso CD vai sair pela Som Livre agora em janeiro”, disse Taty Girl.

Segundo a cantora, as novidades não param. Após gravarem Carinho e Barata, o SBT se interessou pelo sucesso. “Estamos com uma música na novela Carrosel, que entra na semana que vem e se chama Carinho e Barata. Depois que gravamos, o SBT pediu pra gente liberar a música e a gente liberou. A partir da semana que vem está na novela e é uma conquista. Tem coisas em segredo que a gente não pode falar ainda pra 2013”, comemora a cantora, ressaltando que a única coisa ruim que aconteceu em 2012 foi o inverno que não veio para o Nordeste.

“A gente roda muito por aí e vê a dimensão. Mas temos esperança que tudo vai dar certo”, aposta.
Para Zé Cantor, o disco pela Som Livre é mais um trabalho realizado. “2012 para mim foi muito bom, graças a Deus. Se o próximo ano for igual a 2012 vai ser muito bom. Se for melhor, a gente vai ser mais feliz ainda: graças a Deus sempre com saúde, em paz. Tudo isso faz com alcancemos nossos objetivos. O disco pela Som Livre é mais um trabalho realizado”
, finalizou. 

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Dominguinhos tem sedação reduzida, diz boletim médico em Recife-PE


Dominguinhos (Foto: Luna Markman / G1)Dominguinhos. Blog Sertão9
Familiares de Dominguinhos, que está internado em um hospital no Recife, visitaram o músico na véspera de Natal. De acordo com o boletim médico divulgado na manhã desta terça-feira (25), sedação está sendo reduzida, mas o efeito ainda persiste.
Por causa da sedação, o paciente segue desacordado e não interagiu com os parentes, que preferem não falar com a imprensa. O sanfoneiro de 71 anos está no Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Santa Joana, no bairro das Graças, Zona Norte da cidade.
Ainda de acordo com o boletim, os batimentos cardíacos de Dominguinhos estão estáveis, controlados por medicações e marca-passo temporário, colocado no sábado (22). Ele permanece respirando com a ajuda de aparelhos.

domingo, 23 de dezembro de 2012

Novo espetáculo no Recife reúne cinco manifestações populares


Espetáculo 'Brincadeiras de Natal' é opção de diversão. (Foto: Inaldo Menezes/ Prefeitura do Recife)Espetáculo 'Brincadeiras de Natal' é opção de diversão no
fim de semana. Blog Sertão9
O espetáculo "Brincadeiras de Natal" reúne cinco manifestações populares neste sábado (22) e domingo (23), às 18h, na Praça do Arsenal, no Bairro do Recife. Reisado da Boa Vista (Garanhuns), Fandango do Pontal Barra das Alagoas, Guerreiro do Sol Nascente (Olinda), Pastoril Estrela Brilhante (Olinda) e Boi Estrela (Jaboatão dos Guararapes) são as atrações do festejo.

Durante a apresentação, que é uma novidade no ciclo natalino do Recife, o cantor Geraldo Maia cantará jornadas e o ator Junior Aguiar convidará os mestres e brincantes para o palco. O espetáculo é gratuito. "Brincadeiras de Natal", realizado pela Fundação de Cultura da Cidade do Recife, reuniu profissionais de artes cênicas e pesquisadores da cultura popular para criar o roteiro da apresentação.

A concepção do espetáculo é de Marcelo Varella, compositor e assessor da Comissão de Ciclos Culturais da Fundação de Cultura. O texto original é da pesquisadora da cultura popular, Carmen Lélis. Adaptação e direção de cena de Marcondes Lima. Já a direção musical ficou para Dinara Pessoa.

Dominguinhos coloca marca-passo e segue em estado grave, no Recife


Dominguinhos (Foto: Reprodução / TV Globo)Dominguinhos (Foto: Reprodução / Blog Sertão9
O músico Dominguinhos, 71 anos, continua internado no Hospital Santa Joana, no Recife, em estado grave, de acordo boletim médico divulgado neste domingo (23). Na noite de sábado (22), foi necessária a colocação de um marca-passo cardíaco temporário, devido à intensificação da arritmia cardíaca. O sanfoneiro encontra-se estável, sedado, respirando com a ajuda de aparelhos. Ainda de acordo com a nota, o quadro pulmonar apresenta melhora discreta e os antimicrobianos estão sendo mantidos.
Dominguinhos recebe tratamento para infecção respiratória e arritmia cardíaca, que o levaram à internação, na segunda-feira (17). Ele luta contra um câncer de pulmão  há mais de seis anos e é portador de diabetes. 

sábado, 22 de dezembro de 2012

(Exclusivo) Museu do rei do baião em Campina Grande vai ser fechado


Templo da cultura nordestina por 20 anos, o Museu Fonográfico Luiz Gonzaga, localizado em Campina Grande, está com os dias contados para fechar suas portas. Sem apoio dos poderes públicos ou incentivos financeiros da iniciativa privada, o local ainda poderá receber visitantes até o dia 31 de dezembro de 2012, já que em 1º de janeiro do ano que vem a área de dois mil metros quadrados será fechada definitivamente.
 
O fundador e administrador do espaço dedicado à vida e obra do Rei do Baião, professor José Nobre de Medeiros lamenta o fato de não ter mais condições de manter o espaço aberto para a visitação do público. “Iremos desativá-lo em 1º de janeiro. Não tenho mais como continuar mantendo esse material expressivo.  É  algo que necessita de investimento, implica custos e o que eu fiz durante esses 20 anos não tenho mais condições de continuar”, contou o fundador do museu, que passou a receber os visitantes em 1992.
 
Com um acervo que conta com cerca de 1.500 discos gravados por Luiz Gonzaga, mais sete mil de outros artistas que cantaram o forró, além de mais de 250 quadros, dezenas de livros em que o objeto de pesquisa é o Rei do Baião e o forró, vários objetos pessoais e musicais que acompanharam o 'Velho Lua' ao longo de sua carreira, o Museu Fonográfico realizou seu último grande evento na quinta-feira da semana passada, dia que marcou o centenário de nascimento de quem cantou as coisas dos Nordeste.
 
“Eu fiz o que pude. Até o impossível eu acredito. Quem mais sabe do sacrifício que foi manter esse museu fonográfico aberto é minha família, pela ausência que tive em muitos momentos, pela dedicação em manter tudo isso funcionando, principalmente esse ano que foi especial. Ao longo do mês de junho, nós recebemos mais de 4.500 alunos, que vieram conhecer mais da vida e obra de Luiz Gonzaga, o que agora não poderá mais ser feito, pelo menos nesse espaço de agora”, disse.
 
E é pensando em uma nova casa para o acervo que o proprietário já começou a conversar com universidades e fundações para que a missão de aproximar a cultura do povo não seja interrompida definitivamente. “Algumas fundações no Recife já demonstraram interesse em assumir o acervo, mas a nossa intenção não é retirar essas obras de Campina Grande. Por isso, começamos a conversar com a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e há um projeto para que ela se responsabilize pelo conjunto da obra de Luiz Gonzaga que guardamos”, acrescentou José Nobre.


Reveja a Missa em homenagem ao Centenário de Luiz Gonzaga,em Exu-PE

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Artistas plásticos de Imperatriz,Ma fazem homenagem a Luiz Gonzaga



Artistas plásticos de Imperatriz vão realizar uma exposição para comemorar o centenário de nascimento do rei do baião, Luiz Gonzaga. Os quadros retratam o cantor e compositor pernambucano de várias maneiras e estilos.
Cada artista vai representar o rei do baião em telas pintadas especialmente para a exposição em homenagem ao centenário do cantor e compositor. Edney Areia, que pinta desde os 15 anos de idade e é especialista em retratos, está concluindo a segunda tela. A técnica utilizada é óleo sobre tela, a pintura ainda não foi concluída, mas vai mostrar Luiz Gonzaga nos mínimos detalhes. Parece até uma fotografia. “Meu forte é retrato por isso optei fazer as duas telas como retratos do Luiz Gonzaga”, disse o artista plástico.
A ideia de realizar a exposição surgiu ainda no início do ano. Desde então os sete artistas plásticos que vão participar do evento trabalham cada um ao seu estilo e gosto. “Vou procurar mostrar um trabalho impressionista, em preto e branco, nas proporções de 1,20x1m. Uma tela com técnicas modernistas”, explicou Gleison Abreu.
Silvano Araújo é outro artista que está empenhado em participar da homenagem. Ele optou por mostrar nesta tela os instrumentos utilizados pelo cantor durante as apresentações, como a sanfona e o chapéu de couro. O artista plástico vai participar com duas telas. “A temática é muito grande. Luiz Gonzaga é uma fonte praticamente infinita. Se você quiser, pode pintar uma tela todo dia”, disse.
A abertura da exposição em homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga vai acontecer nesta quinta-feira (20). No total serão expostas 16 telas, todas de artistas da cidade. O mestre Tom Neves como é chamado pelos colegas vai expor três telas que já estão prontas. O artista plástico resolveu se inspirar nos personagens das músicas de Gonzagão, como o vaqueiro, o homem da terra e carcará. As telas com o tema vozes da seca, já estão prontas e emocionam pela perfeição do artista. Os trabalhos serão expostos até o dia 30, em um shopping da cidade.

Quadro de saúde de Dominguinhos permanece grave



O músico Dominguinhos, 71 anos, segue internado em estado grave na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) Coronária do Hospital Santa Joana, no Recife. De acordo com o hospital, na manhã desta sexta-feira (21) não houve mudanças em relação ao quadro apresentado no último boletim médico, divulgado na tarde de quinta-feira, em entrevista coletiva concedida pela equipe que atende o sanfoneiro.
Dominguinhos apresenta pneumonia bacteriana comunitária, que o levou a ser internado na segunda-feira (17). Ele está em observação contínua, usando antimicrobianos, sedado e respirando com ajuda de aparelhos. Não há previsão de alta.

  • Blog Sertão9
O sanfoneiro luta há seis anos contra um câncer de pulmão, que mantém-se estável e respondendo bem às drogas, além de doenças associadas, como insuficiência ventricular, arritmia cardíaca e diabetes. O tratamento ocorre entre Recife e São Paulo, devido à agenda de shows do artista. A apresentação que ele faria no sábado (22), em Brasília, foi cancelada.
História
José Domingos de Morais, mais conhecido como Dominguinhos, é natural de Garanhuns, no Agreste de Pernambuco. Conheceu Luiz Gonzaga com oito anos de idade. Aos 13 anos, morando no Rio de Janeiro, ganhou a primeira sanfona do Rei do Baião, que três anos mais tarde o consagrou como herdeiro artístico.

Instrumentista, cantor e compositor, em 2002 ganhou o Grammy Latino com o "CD Chegando de Mansinho". Ao longo da carreira, fez parcerias de sucesso com Gilberto Gil, Chico Buarque, Anastácia, Djavan, entre outros. Atualmente, Dominguinhos é considerado o sanfoneiro mais importante do país.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

( Exclusivo) MPF acompanha tombamento do Parque Aza Branca, em Exu

O espaço foi criado por Luiz Gonzaga como homenagem aos ritmos nordestinos e atualmente é um dos mais significativos locais de preservação do legado do chamado Rei do Baião. Foto: Blenda Souto Maior/DP/D.A Press
O espaço foi criado por Luiz Gonzaga como homenagem aos ritmos nordestinos e atualmente é um dos mais significativos locais de preservação do legado do chamado Rei do Baião. Blog Sertão9

O Ministério Público Federal (MPF) em Serra Talhada (PE) vem acompanhando o processo de tombamento, por parte do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), do Parque Aza Branca, em Exu, a 630 Km do Recife.

O espaço foi criado por Luiz Gonzaga como homenagem aos ritmos nordestinos e atualmente é um dos mais significativos locais de preservação do legado do chamado Rei do Baião, que tem seu centenário celebrado este mês.

A situação do patrimônio histórico deixado por Luiz Gonzaga em Exu é objeto de inquérito civil público instaurado pelo MPF em 2008. No ano passado, diante de pedido de informações do MPF, a Fundarpe comunicou que o Parque Aza Branca e a antiga casa de Januário (pai de Luiz Gonzaga) na Vila da Fazenda Araripe compõem o tombamento dos ambientes de origem e memória de Luiz Gonzaga, homologado por decreto estadual.

Em julho deste ano, a Fundarpe enviou ao MPF o cronograma de recuperação do Parque Aza Branca. A responsável por monitorar o processo é a procuradora da República Sílvia Regina Pontes Lopes. A propriedade, comprada pelo próprio Luiz Gonzaga, com cerca de 15 mil metros quadrados, conta com museu, palcos para apresentações artísticas, pousadas, além do mausoléu do sanfoneiro.

100 anos de Luiz Gonzaga - 13/12/2012 o eterno Rei do Baião

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Exposição em homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga no Museu Nacional


As comemorações pelo centenário de Luiz Gonzaga não param. O Rei do Baião ganha exposição inédita no Rio, ‘O Imaginário do Rei — Visões Sobre o Universo de Luiz Gonzaga’, em cartaz a partir de hoje no Museu Nacional de Belas Artes. A curadoria é de Bené Fonteles, que reuniu trabalhos de 60 artistas de diversas regiões do país.
Obra faz parte da exposição | Foto: Diovulgação
Obra faz parte da exposição |                     Blog Sertão9
A mostra apresenta a história pessoal e profissional de Gonzagão. São mais de 160 obras de arte, quase todas criadas especialmente para a exposição, com varias técnicas e linguagens diferentes. Ainda há fotografias raras, CDs e livros sobre Luiz Gonzaga. Alguns filmes também serão exibidos no museu: ‘Viva São João’, de Andrucha Waddington, ‘O Milagre de Santa Luzia’, de Sergio Roizenblitz, ‘O Homem que Engarrafava Nuvens’, de Lírio Ferreira, e ‘Luiz Gonzaga — A Luz dos Sertões’ de Rose Maria.
A exposição já foi vista por mais de 200 mil pessoas em Recife, Salvador, Fortaleza, João Pessoa e Brasília. Entre os artistas que homenageiam Gonzagão estão Narcélio Grud e Tércio Araripe, que criaram um xilofone (instrumento de percussão) exclusivamente para a ocasião. Mario Simões, Fernando Coelho, Paulo Pereira e Maxim Malhado são outros nomes que têm obras em ‘O Imaginário do Rei’. Com a mostra, Bené Fonteles recebeu o prêmio Centenário Luiz Gonzaga, da Funarte.
Serviço:
Museu Nacional de Belas Artes - Avenida Rio Branco 199, Cinelândia (2219-8474). De ter a sex, das 10h às 18h. Sáb, dom e feriado, de meio-dia às 17h. Grátis. Até 24 de fevereiro.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Exu comemora o sucesso da festa "Gonzagão 100 anos"

Novinho da Paraíba se apresenta no Palco Gonzagão durante o
Novinho da Paraíba se apresenta no Palco Gonzagão durante o "Nação Cultural - Gonzagão Cem Anos", no Exu (PE).

Exu – O centenário de Luiz Gonzaga teve forró sem parar durante cinco dias. De quarta-feira até este domingo, a pequena cidade sertaneja na fronteira com o Ceará recebeu dezenas de sanfoneiros profissionais e incontáveis amantes da música do Rei do Baião. Calcula-se que foram mais de 40 mil visitantes, durante os cinco dias. Um verdadeiro São João fora de época.

Os três palcos montados pela Fundarpe, responsável por organizar o evento com a prefeitura do Exu, foram refúgios de resistência contra o “forró” eletrônico. Bastava se distanciar alguns metros do Parque Aza Branca – onde Gonzaga morou no fim da vida e onde está sepultado – para se ouvir o batidão eletrônico. No percurso de pouco mais de 1km até o outro palco do centro da cidade, no Módulo Esportivo, tudo que se ouvia era Aviões do Forro, Garota Safada e comparsas. Quem veio de longe preferiu se refugiar no Parque Aza Branca, o mais tradicional. “Sou fã do Rei do baião e vim para ouvir e dançar o forro tradicional”, comentou a soteropolitana Larissa Souza.

A programação do Módulo foi palco de grandes artistas como Dominguinhos, Elba Ramalho e Gilberto Gil. E também de músicos fronteiriços, que ficam a um passo do eletrônico, como o sanfoneiro Amazan.  A sexta-feira e o sábado foram os dias de maior público no espaço – com capacidade para até 40 mil pessoas. O Aza Branca ficou longe de sua lotação máxima, mas teve um público numeroso no sábado. Ontem, a festa foi encerrada com uma missa no local, seguida por apresentações de sanfoneiros.

Apresentação do Projeto Meu Araripe no Palco Aza Branca, no Exu-PE. Gonzagão 100 Anos. Foto: Eric Gomes/Secult-PE.
Apresentação do Projeto Meu Araripe no Palco Aza Branca, no Exu-PE. Gonzagão 100 Anos.


Repertório 

As apresentações do centenário de Gonzagão no Exu serviram para comprovar mais uma vez o quanto o longo repertório de Luiz Gonzaga, com mais de 675 músicas, é pouco explorado por seus intérpretes. O hino Asa branca foi executado praticamente por todos os artistas que se apresentaram. Outro hit da festa foi Qui nem jiló, com versões de Gilberto Gil a Novinho da Paraíba. A volta da Asa Branca, Xote das meninas O cheiro da Carolina foram outras músicas repetidas a exaustão.

Para agregar o maior numero possível de artistas, o festival contou com alguns "combos". Colocar Zé Calixto, Zé Calixto e Truvinca no mesmo show fez sentido, mas houve reuniões desnecessárias como oXote das meninas, que apresentou oito cantoras ligadas a Sociedade dos Forrozeiros Pé-de-Serra e Ai!. Parecia uma competição de quem alcançava as notas mais altas. Para o ano que vem, a realização do festival Nação Cultural no Exu já está confirmada, provavelmente em um formato menor do que neste ano.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

'Xote das Meninas' reúne cantoras para celebrar Gonzagão em Exu, PE


Terezinha do Acordeon conta que foi a primeira mulher a animar festas tocando sanfona (Foto: Luna Markman/G1)Terezinha do Acordeon conta que foi a primeira mulher a
animar festas tocando sanfona, Blog Sertão9
Carmélia Alves foi a primeira mulher a cantar o baião de Luiz Gonzaga. Eles se conheceram na Rádio Nacional, quando a artista apostava em um repertório urbano romântico. Ao cantar a sertaneja música "Sabiá na gaiola", de Hervê Cordovil, tudo mudou. Ela se entregou à moda da época e foi coroada, pelo próprio Lua, como a Rainha do Baião, apresentando em palcos chiques, onde ele não entrava, arranjos mais sofisticados do ritmo.
Após Carmélia, muitas artistas apaixonaram-se pelo baião. Seguiram o mestre à risca, como Marinês. Fizeram sua própria leitura, como Anastácia e Elba Ramalho. A maioria emprestava a voz para cantar as belezas e lamentos sertajenos. Em Pernambuco, Terezinha do Acordeon conta que foi a primeira mulher a animar festas tocando sanfona de maneira profissional, nos anos de 1980. "Sempre tinha mulher tocando valsa, tango, mas forró não, eu que fui 'enxeridinha' ao entrar nesse universo masculino. Hoje, já tem muitas no Recife tocando, eu abri caminho. E a safra está se renovando, tem muitas garotinhas aprendendo, a promessa é boa", falou.
Terezinha do Acordeon fez parte, na noite do sábado (15), do Xote das Meninas, projeto especial criado para comemorar o centenário de Luiz Gonzaga. O show foi em Exu, no Sertão pernambucano. "Maceió", "Açucena cheirosa" e "Balance eu" foram as escolhidas para o repertório.
Cristina Amaral cantou Gonzagão no projeto Xote das Meninas (Foto: Luna Markman/G1)
Cristina Amaral cantou Gonzagão no projeto Xote das
Meninas, Blog Sertão9
Sertaneja de Sertânia, com muito orgulho, Cristina Amaral também subiu ao palco para cantar "Adeus Iracema", "ABC do Sertão" e "Depois da derradeira" . "É uma emoção estar aqui, prestando essa homenagem a Luiz Gonzaga, que é uma pessoa muito especial na música, na vida dos artistas, a grande inspiração. O nosso mestre é merecedor de todas essas homenagens. Quem canta o verdadeiro forró, tem que cantar Luiz Gonzaga", disse.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Missa em homenagem ao centenário de Gonzagão encanta público em Exu


Ainda estava escuro em Exu, no Sertão pernambucano, quando começou a Missa da Vida em memória aos cem anos de Luiz Gonzaga, neste domingo (16). Eram 5h, quando centenas de fiéis já se aglomeravam debaixo do famoso pé de Juazeiro do Parque Aza Branca, onde o velho Lua gostava de cantar.
A celebração foi toda rezada com sanfona, zabumba e triângulo, com músicos rendendo homenagens ao Rei do Baião. O evento foi transmitido ao vivo pela Globo Nordeste, TV Grande Rio, TV Asa Branca.
saiba mais
  • No Blog Sertão9
A cerimônia religiosa foi celebrada por Dom Magnus Henrique Lopes, bispo da diocese de Salgueiro, e pelo padre Domingos Pedro da Silva, administrador paroquial de Exu. Outros padres da região, como o padre Fábio Mota, de Sobral (CE), e o padre Malan, de Araripina, também participaram. "Foi uma justa homenagem a este homem que cantou e encantou o Brasil levando a cultura nordestina, com a sua sanfona, a voz que falava mais alto nesta celebração", falou Dom Magnus Henrique Lopes.
Danilo Pernambucano cantou música em homenagem a Gonzagão (Foto: Luna Markman/G1)
Danilo Pernambucano cantou música em homenagem a
Gonzagão. Sertão9
O sanfoneiro Danilo Pernambucano cantou o sermão junto ao bispo e apresentou a música "Homenagem a Luiz Gonzaga", composta por ele mesmo. Santana apresentou "Pai Nosso", que faz parte da Missa do Vaqueiro, celebração inventada por Luiz Gonzaga e o padre João Câncio, no anos de 1970, para lembrar a morte do vaqueiro Raimundo Jacó. "Foi muito bonita [a missa], e é sempre uma honra para mim, poder participar, principalmente, quando se refere a coisas da fé, voltada para o nosso Deus maior, e também fizemos homenagem ao maior nordestino de todos os tempos", comentou.

Quem foi,Luiz Gonzaga ouça um pouco do Gonzagão.

Luiz Gonzaga: o Rei do Baião, o Rei do Nordeste o cantador do Sertão


Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, Blog Sertão9
Ele é rei, mas a coroa que carrega é em forma de sanfona e o título de reinado é escrito no ritmo do baião. Luiz Gonzaga marcou a história do Nordeste com canções que contam a vida e a cultura do homem do sertão e o 13 de dezembro de 2012, é o dia em que se comemora o seu centenário. O Piauí também é um súdito de toda a obra deixada por este ícone nordestino e é o estado a possuir a 1ª Colônia Gonzaguiana do Brasil.

Nos versos cantados por Luiz Gonzaga, são seis músicas que tratam sobre o Piauí, entre elas, a canção com o mesmo nome do Estado, que evoca versos de saudade e exaltação às terras piauienses: Ai, ai, ai,ai/Que saudades do Piauí/Os anos foram passando/Meu cabelos prateando/Mas esquecer não consegui/Terra onde o sol brilha mais/Não existem dois iguais/Só conheço o do meu Piauí.

Segundo Wilson Seraine, presidente da Colônia Gonzaguiana, o Rei do Baião é cidadão teresinense. “Ele ganhou o Título de Cidadania Teresinense em 1978. Luiz Gonzaga visitava muito nosso Estado, com passagens registradas em Teresina, Campo Maior, Castelo, Picos e outras cidades” explica.

A Colônia Gonzagueana existe há dois anos. Entre as atividades realizadas pelo grupo estão a Procissão dos Sanfoneiros, que acontece anualmente na data em que morreu Luiz Gonzaga, no dia 3 de agosto, e a Missa do Centenário do Rei do Baião, na Igreja de São Benedito.

“Eu nunca vi, no Brasil, um artista ganhar mais homenagens que Luiz Gonzaga. A história do Rei é contata e celebrada em todo território nacional, ele une todas as classes”, afirma Seraine.

Com sucessos como Asa Branca, Baião de Dois, Respeita Januário e Qui Nem Jiló, Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, é sinônimo de cultura e consagração das tradições nordestina. Luiz é Rei e o povo nordestino é príncipe nos versos do baião.

sábado, 15 de dezembro de 2012

Reveja como foi o evento de inauguração da sala de Luiz Gonzaga em Caruaru


“Gostaria que lembrassem que sou filho de Januário e dona Santana. Gostaria que lembrassem muito de mim; que esse sanfoneiro amou muito seu povo, o Sertão. Decantou as aves, os animais, os padres, os cangaceiros, os retirantes. Decantou os valentes, os covardes e também o amor”.
  

'Corredor Cultural' homenageia Luiz Gonzaga em João Pessoa


Programação do Corredor Cultural homenageia Luiz Gonzaga (Foto: Divulgação/Secom-JP)Programação do Corredor Cultural homenageia Luiz
Gonzaga. Blog Sertão9

O projeto Corredor Cultural abre espaço neste sábado (15) para homenagear os 100 anos do Rei do Baião, Luiz Gonzaga, e o Dia Nacional do Forró. A partir das 15h, 13 atrações vão se apresentar na Praça Rio Branco, localizada no Centro de João Pessoa, totalizando sete horas de muito forró. A entrada é gratuita.

Na programação especial, a intenção é relembrar os clássicos de Gonzagão e dançar ao som de muito forró, xote e baião. Entre as atrações estão nomes como Joabe Dantas, Junior Limeira, Forró Encabulado, Os Três do Norte, Edson Azevedo, Xameguinho do Forró, Rivaildo Ribeiro e seu Regional, Os Velhos Forrozeiros, Flor do Caroá e Roberto dos Oito Baixos.

A festa também contará com alguns convidados, entre os quais Cicinho Lima, Beto Brito e Walter Luiz, que é sósia de Luiz Gonzaga. Haverá ainda a participação dos alunos da Escola de Música Mestre Dominguinhos e da Orquestra Sanfônica Balaio Nordeste
.

Galo da Madrugada homenageia o Rio São Francisco no Carnaval 2013



 No próximo ano, o Galo da Madrugada vai homenagear o Rio São Francisco. Em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (12), foi anunciado o tema do Desfile em 2013, o cd de frevos desta edição e a camisa oficial do bloco. Agora Patrimônio Imaterial da Humanidade, o frevo, é claro, não ficou de fora.
"É o Rio da Integraçao Nacional, circula por vários estados do Nordeste. Temos que reconhecer isso, não apenas culturalmente, mas do ponto de vista da subsistência também", afirma Rômulo Menezes, presidente do Galo da Madrugada.
Na camisa do bloco, sombrinhas colorem as águas do Rio São Francisco. O design representa o mote do próximo ano, com o folclore nordestino e a cultura ribeirinha em plena união, como sugere o tema "O Rio São Francisco deságua no mar do Frevo". Imagens de caboclos de lança, papangus e carrancas colorem a vestimenta.
Não é só a camisa que canta e versa sobre o Velho Chico e o Frevo juntos. As 18 músicas do CD são frevos inéditos sobre o assunto e todas elas participaram do concurso de frevo-canção do Galo 2012. Os quatro carros alegóricos discursam sobre os produtos fornecidos pelo rio, o transporte, a energia e as lendas típicas ribeirinhas. Dois deles já estão prontos.

Em Exu, Eduardo Campos confirma desapropriação do Parque Aza Branca, mas não fala em valores


 O parque Aza Branca será propriedade pública. A notícia foi dada pelo governador Eduardo Campos, nesta quinta-feira (13), durante a festa em homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga, em Exu, Sertão do Araripe. Na oportunidade, Eduardo assinou um decreto que pede a desapropriação da área, a fim de tornar o local um bem de utilidade pública.

“Decidimos tomar para o Estado a responsabilidade de cuidar desse bem imensurável da nossa cultura popular. Assim, poderemos investir mais na divulgação e na memória desse patrimônio que já era, de fato, do povo pernambucano”, revelou Eduardo, na solenidade realizada no parque, que contou ainda com várias homenagens ao Rei do Baião. Também foram lançados a medalha da Casa da Moeda e o selo dos Correios alusivos à passagem dos 100 anos do Gonzagão.

Em discurso, Eduardo continuou a enaltecer a importância do nosso Rei do Baião, o maior ícone da cultura pernambucana dentro e fora do Brasil. Para ele, Luiz Gonzaga “cantou e contou a história do povo nordestino como ninguém”. “Gonzagão soube cantar as agruras de nossa gente, sem rebaixar a valentia do sertanejo, fazendo da dor rima e poesia”, sublinhou.

Após as homenagens em palavras, o governador e uma grande plateia assistiram à exibição gratuita do filme Gonzaga: De Pai pra Filho. Entre os presentes, estavam o ministro Fernando Bezerra Coelho, o deputado federal Fernando Filho, além de vários representantes da Assembleia Legislativa de Pernambuco, secretários de Estado e autoridades da região.

Além da cidade natal do Rei do Baião, as comemorações na semana de aniversário de Gonzagão também aconteceram no Recife, entre os dias 10 e 16 de dezembro, num investimento total do Governo do Estado de R$ 3,3 milhões.

No Recife, os festejos acontecem na Praça do Arsenal com shows de Fagner, Alceu Valença, Azulão, Assisão, Anastácia, Petrúcio Amorim, Genival Lacerda, Targino Gondim e do Projeto Viva Gonzagão.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Brasil comemora o centenário de nascimento de Luiz Gonzaga, o "Rei do Baião"



Blog Sertão9

Moradores de Exu comemoram centenário de Gonzagão



A cultura brasileira tem um motivo justo e nobre para comemorar este 13 de dezembro de 2012. O Rei do Baião, Luiz Gonzaga, teria completado 100 anos de idade. No sertão pernambucano, os repórteres Francisco José e André Bezerra foram acompanhar os festejos na cidade natal dele.
A cidade de Exu, a 700 quilômetros do Recife, tem 15 mil habitantes. Mas há uma previsão de que 45 mil pessoas vão participar dos cinco dias de festas do centenário.
O comércio está aquecido com a venda de artigos que lembram Gonzagão. Há 100 anos, nascia na vila do Araripe, no sertão de Pernambuco, o menino pobre Luiz Gonzaga do Nascimento, que se tornou um símbolo da Música Popular Brasileira, o Rei do Baião.
Muita gente veio de longe para os 100 anos de Gonzagão.
“Meu pai gostava das músicas dele, meu esposo, também, e eu também gosto muito”, diz a aposentada Raimunda Louzada.
O jovem Gonzaga, do filme "De pai para filho", foi agradecer pela chance de ter interpretado no cinema o seu maior ídolo.
“Tenho um episódio muito marcante em Exu, porque na hora que pisei no mausoléu e fiz o sinal da cruz, o telefone tocou dizendo que eu era um dos escolhidos para o filme”, revela o ator Chambinho do Acordeon.
A comunidade fez o bolo de coco com mais de 100 quilos. “Foi feito, doado e confeccionado pela comunidade”, disse Clemilce Cardoso, parente de Gonzagão.
Na abertura das comemorações do centenário, em Exu, a Orquestra Sinfônica de Teresina, com o cantor João Cláudio Moreno, que tem a voz mais parecida com a de Luiz Gonzaga.

Onildo Almeida conta parcerias com Luiz Gonzaga,no seu centenário




Governador vai converter parque de Exu, PE, em bem de utilidade pública


O Parque Aza Branca separou mil cadeiras para quem quisesse assistir, de graça, à exibição do filme "Gonzaga - De Pai Para Filho", na noite da quinta-feira (13), em Exu, no Serão pernambucano. Não foi o suficiente. Muita gente ficou de pé para ver o tão falado longa de Breno Silveira. O governador Eduardo Campos esteve em Exu para assistir ao filme. Antes, anunciou a desapropriação do parque Aza Branca, que será transformado em bem de utilidade pública. Eduardo Campos ressaltou ainda a importância do Rei do Baião para a cultura nordestina.

"Em um momento tão especial para a vida nordestina quanto nos defrontamos, como é nosso destino, pela natureza, por conta da estiagem que é a maior dos últimos 70 anos, comemorar o centenário de um homem que soube cantar as agruras da seca sem baixar o ânimo do nosso povo, o momento é de agradecer. Obrigado, Exu, por ter dado ao Brasil Luiz Gonzaga. Obrigado por ter guardado a tradição do amor à cultura", afirmou.

A obra de Breno Silveira, que já levou mais de 1,3 milhão de pessoas aos cinemas de todo o país, conta a história do Rei do Baião, cujo centenário de nascimento está sendo comemorado com programação especial em Exu e no Recife, além de outros estados brasileiros.